quarta-feira, 22 de julho de 2009

Expectacionar

se deduzir a palavra, me ofere significâncias.
O olhar não se tornou canto, mas se refez.
A mão não tocou tanto, mas se conteve,
O vento não soprou em brisa, apenas se conteve.
Voou, saboreou, e se conteve risonho apenas.
Se tanto esperar, palavras em dizer tanto,
nada apenas disseram, se contiveram em proceder
a vontade de se expelir em som, mas não timbrou
a nota musical da canção...sem melodia, ficou.
Se tanto mostrar, encantar, fosse apenas oculto de desejo.
sem entender o motivo, apenas não se disse,
Fio que se prende a razão, quis se desprender.
arrebente, exclama os lábios cerrados,
sem culpa acusada, sem verdade declarada,
apenas se foi, olhou atrás, pasmou em ressaltos.
frio que aqueceu a hora, gelo que derreteu entre
os dedos. digital não verificada.
Apenas se provou o sabor de uma verdade assumida,
meu cavalo branco, se turbou em rubro e me disse:
adeus real príncipe.
..