domingo, 26 de setembro de 2010

The Past



Percebi que muita coisa que deixo de fazer é apenas
pelo simples fato de que alguma vez, eu não tenha
conseguido fazer este mesmo ato.

Então se cria a ideologia de que não será possivel
nunca fazer a mesma coisa. A verdade é que fazer a
mesma coisa talvez não é algo tão bom, se eu estiver
com o pensamento de evolução como pessoa.

O fato: a situação que eu não consegui fazer, tinha um
motivo naquele momento, a idéia é que um momento nunca
acontece de novo. A partir de hoje a minha vida nunca será
mais a de ontem, então cada dia tem necessidade de ser
construido, estar preso ao que deixei de fazer ontem,
não vai me ajudar hoje, assim como esperar pra fazer amanhã
também não vai me ajudar hoje, afinal os momentos de amanhã
serão diferentes, talvez o sol esteja mais forte, talvez o vento
também ou talvez até chova.

Disso tudo, comecei a pensar sobre as coisas do passado que
me prendiam em certa coisa também, na verdade pessoas que
estavam ligadas à mim, hoje não estão. Acontece que esse
estavam me remete sempre ao sentimento que havia, e isto me
prendia. É como se cada pessoa que eu ja compartilhei um momento
segurasse uma ponta de corrente. Percebi que na outra ponta,
eu não segurava também, mas apenas me amarrava. Somente eu,
não havia mais importância pras pessoas o que aconteceu,
mas pra mim sim, e isto ainda me atrapalha muito à seguir em frente,
claro que muita coisa que já passou sempre vai valer a pena lembrar,
mas para guardar seus livros novos, vc precisa se desfazer dos velhos
que você nem mesmo lê.

O que eu fui ontem, o que eu fiz, como eu fiz. Só vai depender de mim
o quanto isto vai me fazer perder de viver o hoje, afinal muita coisa é
diferente, então parei de me lamentar se antes eu fazia isso ou aquilo melhor
que hoje, assim eu tenho tempo pra pensar no que eu quero fazer hoje,
e o que isso vai me proporcionar.

A primeira etapa foi perceber quem realmente faria diferença em segurar a ponta
da corrente, e cheguei à conclusão que para a maioria das pessoas não fazia di
ferença alguma. Qual o motivo de eu me manter preso então? pensei.

Começei a retirar as pontas de correntes das mãos das pessoas.
A sensação foi boa cada corrente deixada ao chão era um peso
a menos e uma leve flutuação. De certa forma removi as pessoas
da minha vida, e depois que fiz percebi que não existia mais o
motivo daquela pessoa estar na minha vida, somente a minha lembrança não
era motivo suficiente pra isto, deveria ser reciproco.

Deixar o passado foi a melhor coisa que fiz para começar o presente.

3 comentários:

  1. É ótimo essa sensação de liberdade. Mas tb me faz pensar que se por vezes as pessoas não dão tanta importância a um fato, como eu dou, será que eu tb não esteja fazendo o mesmo com alguém? Porque não é propositalmente... Concordo que deve ser recíproco, mas é extamente essa a parte mais difícil.

    ResponderExcluir
  2. A dificuldade que é a questão, este post foi bem egoista mesmo mas a sua idéia é bem interessante.

    Obrigado pelo comentário =D

    ResponderExcluir
  3. Não achei o post egoísta! É assim mesmo que tem que ser.

    ResponderExcluir

..