domingo, 7 de fevereiro de 2010

Distorce The obscure Lake

Hoje me perguntei sobre o necessário da vida,

sobre como pode , cada dia ser tão meticuloso , ao ponto de
se repetir , gradativamente , em cada detalhe.

nada se fazer novo, seria algo impossível, mas a verdade que
não entendo bem o motivo, de eu estar, no meu interior, a cada dia
querendo na verdade que não se faça novo, talvez por esperar algo,
que torne meus dias únicos.

exatamente isto que torna tão complicado, não é possivel simplesmente acordar
sentir o sol, sair na rua, olhar as pessoas com suas vidas, e não sentir a hipocresia
que torna ao redor de cada um?

se torna dificil, por cada segundo , olhado e dirigido aos alheios,
uma necessidade iquestionavel, se destroça dentro do meu peito,
não se distinguindo em forma alguma, apenas sente mais que
meu próprio sentido ou sentimento,
talvez isto seja finalmente a parte normal, se perguntar quem sou,

não quem penso que sou, mas quem sou de verdade, ou mesmo
do que eu gosto de ter , fazer, observar, de ser, realmente.

se torna nublado à cada passo andado para um caminho, seria uma simples estrada,

a verdade é que se torna uma ponte muito extensa, sobre um imenso lago,

quando olho pra água ao redor, nem sempre vejo meu reflexo, mas o que vejo
é uma distorção de imagem, se afogando, na mesma água calma , e aparente inofensiva.

se eu desviar os olhos da água, parece que tudo se torna normal, ou fantasioso demais
pra eu enxergar, seja qual for, o que se afoga de mim, esta submergindo de uma forma
rápida, e conflitante!

mas continuo andando somente pela ponte, parece mais segura, até o momento que eu sentir a água gelada sobre meus pés, descalços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

..