sexta-feira, 20 de março de 2009

Chuva

Espera, tempo inquietante, me tira a atenção conversas redondas, Vontade, me mostra o quanto me faço esperar, conversas divergentes tempo, continua inquieto... espera, olha, sente, fala, vontade... Olha, em meu olho e não se vire, apenas enchergue a minha alma a bradar o brando do seu calor, veja o chão, não há nada nele de tão interessante, apenas espere...ande, caminhe saltite... Cheiro, parfum, fragância, estimulador... espera finda, olhar centrado, ainda expectativa pecante e duvidosa. sinta a minha mão, tem calor e sentimento, fala e também sorri. entrelaça... diga tua aflição diária, teu presente pensamento, eu agoro, para que eu sorria e mostra a felicidade diante dele também sorrindo. pausa, silêncio, olhar. enlaço, conforto, segurança. tanta coisa, tanta alça, tanto de luz do poste do fim da avenida. afaga, aproxima e aperta, aperta traça os dedos, sente as pontas, frias talvez, aquece então! para, olha sente, silência, dois na rua, nem do lado, nem de tras, no meio... abraça, apenas fitar, segurar, dizer, sorrir e despedir. impossivel desta vez, sente o clima, o vento que sopra em árvores em volta, o frescor que vem em brisa. Cai uma gota ao chão, para o tempo, sopra aos olhos, gira e ri. Volta a andar, cai outra gota à folha, toca a mão, puxa o braço e tenta. Cai a terceira, ruborece o rosto quente, circula o sangue rapidamente, o coração aprende a ir mais rápido e soa a música e faz melodia. Respira, levemente sopra, e abre os labios cerrados, inspira. Se inclina, toca o lábio. Sente o gosto, cai a chuva, no rosto feliz. Esquenta a boca, beija a alma, Expira. toca a pele sedosa, mancha os olhos que brilham e se fecham conforme vai ao toque do som das gotas inquietantes, cai a chuva, arde aos toques, queima aos toques, saboreia o calor. Gira, dança, para, sorri, e sente feliz. Cai a folha ao chão, não importante, mas apenas cai. Passa o carro à rua, não importante , mas corre Anda o guri à outra beira da calçada, sorri e olha, nao importante, apenas anda e pensa. A tinta dos olhos já se escorre em meio aos cilios, o cheiro do cabelo já se perde em meio aos que se fazem em um, o rosto molhado faz o outro escorregar, deixa o gosto em água. Apenas finda, anda, molhado, pensante, feliz, corre a rua feito guri pequeno, sorri apenas, olha aos que ali não estão, lembra, toca os lábios , saboreia os dedos, cheira a mão, quem sabe ainda resta o perfume deixado dos negros cabelos. Apenas entende, ... seu.

8 comentários:

  1. Uauuu hein?!
    Quem é a merecedora de tamanha inspiração?! lalalala ♪
    Continuee assim, amigo... Vulgarmente falando, criatividade aí é mato! hehehe*

    Amoo maiis que açaí com granolaaa!kkkkkkkkkk

    ~Kisses~

    ResponderExcluir
  2. Uaaaau meesmo...
    palavras tocantes na alma...
    reflexivas e aquietantes ou inspiradoras e instigantes... dependendo do ponto de vista
    te adooooro =]

    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Nossa, parecia bastante impaciente :P

    Mas muito profunda a mensagem. ADOREI :D

    BjÔ

    ResponderExcluir
  4. obrigado May... hehe , a inspiração é algo Divino, provocado pelas mortais e seus cabelos negros! rsrs....!!

    Camilinha!! obrigado, eu que fico imensamente feliz por ter feito com simples expressões, tocar a alma, o ponto de vista é o melhor, acredite!! rs

    Jehh
    Sim, impaciência as vezes se torna virtude!!

    =D

    ResponderExcluir
  5. Lindo de mais Bruninho!!!
    Sabe que às vezes Deus nos presenteia com alguns anjos na terra, mas aqui eles recebem outro nome, sabe qual é?
    "Poeta", ou simplesmente: VOCÊ!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, você é um artista, as palavras são lindas...isso é um dom de Deus, vamos aproveitar isso na igreja...srrsrsr..

    Bjo e parabéns

    ResponderExcluir
  7. depois de um tempo eu leio isso, não me perguntem como eu escrevi, mas eu sei que fui eu! rs

    ResponderExcluir

..